segunda-feira, 25 de maio de 2009

poema alice

tudo começou com a mancha
de rímel no meu jeans
que me disse que há pouco
ou muito tempo eu era muito
criança pra essas coisas
e lembrei dos pães da maria
nos pães que ela assava no forno
sempre de manhã
pra eu acordar com fome
de pão da maria
tinha pão longo e trançado
e pão pequeno e sozinho
lembrei do aquário
que não tinha tampa
e dos meus peixinhos
suicidas
secos no carpete
quis saber daquele vestido
florido que eu não tirava
nunca e pensei
memória é ponte
que desaba de repente
e deixa a gente com vontade de chorar

4 comentários:

Luiz Coelho disse...

ótima glosa. adorei.

Marina Sena. disse...

nossa, adorei sua poesia.
tão bonita, tão inteira...

=***

Marcello disse...

rrólou, lórou...
I miss you a lot...
Kisses, Paidrasto...

Flávia Lorenzi disse...

bonito...
me reconheço aqui...

nos conhecemos em paris este inverno, sou amiga da sua prima flavia e como ela flavia tb...

e como vc... tb escrevo... em um blog...

aproveito para postar seu endereço no meu e caso vc passe por la e goste, faça o mesmo!

beijos!