sábado, 27 de outubro de 2007


A ventania varreu a cidade
Com tanta fúria
Que estourou os vidros
Das janelas
Nunca tive medo de tempestade
E fui catar os cacos
Com os pés descalços

3 comentários:

Luiz Coelho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luiz Coelho disse...

Os dois últimos versos possuem uma aliteração linda em [k], sem contar o efeito visual que o poema evoca que vai muito além do superficial do

Anônimo disse...

amei esse bel. amei amei amei.
acho que o jeito é não trabalhar com o medo. o medo é castrador.
love it.
bisous.
shmanninha